sábado, 9 de julho de 2011

Descaso e incompetência com os trens do subúrbio

Trens sucateados - Empresários de ônibus felizes - População sofre com transporte


Após 158 anos de inaugurado, o sistema férreo do Subúrbio, que ligam a Calçada a São Tomé de Paripe, teve a capacidade de operação reduzida de 12 para dois trens. Outros dois veículos estão sucateados e servem apenas como reserva e fonte de peças para reposição. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (Setin), outras quatro locomotivas estão em reforma. Desde 2005, quando recebeu do órgão federal CBTU a gestão do sistema, a prefeitura ainda não conseguiu equacionar as contas: gasta todo mês R$ 1,2 milhão, mas só arrecada R$ 400 mil. A saída foi reduzir o horário de operação de 6h às 18h (era até as 22h), o que deixou insatisfeitos funcionários e usuários, já que a redução afeta diretamente os salários. Além disso, desde novembro passado, o percurso que era feito em 25min precisa de 1h20 para ser completado. A demora se deve à interdição para reforma da ponte de São João e à velocidade máxima dos velhos trens, que não ultrapassam os 20 km/h, segundo o sindicato dos ferroviários. O sistema chegou a transportar 40 mil passageiros por dia até a década de 90, mas atualmente não passa de 6 mil. Informações do Correio.

Um comentário:

Vianna disse...

É o que eu defendo: Incompetência e falta de vontade dos administradores!
Trens, metrôes e BRT's são modelos arteriais para as grandes metrópoles, guardadas as devidas proporções de implantação. Se os administradores de um determinado sistema não tiverem vontade, daí, não há DEUS que dê jeito.